SINESP, junto com Setorial da Educação do Fórum das Entidades e CRECE Central cobraram SME por ações de combate à violência nas UEs!

A Secretaria não havia respondido ao ofício e ao documento entregues pelo SINESP conclamando unidade de áreas governamentais, parlamentares, setores sociais e instâncias jurídicas no debate do problema e na busca de soluções. Também não respondera às solicitações das demais entidades do Fórum.

Por isso, representantes do SINESP, das demais entidades do Fórum Setorial de Educação e do CRECE Central foram à SME nesta quarta-feira, 19 de abril, cobrar que a Secretaria tome medidas efetivas no combate à violência nas unidades educacionais.

 

Entidades da Educação cobram da SME respostas para problemas urgentes

Ato SME 19 4 23 Site 2

Diante da onda de ameaças de violência que têm preocupado a comunidade escolar, o SINESP, juntamente com o Fórum Setorial de Educação e o CRECE Central, foram até a SME cobrar um posicionamento urgente da Secretaria e foram recebidos por assessoras da Pasta.

Na reunião, SINESP, Fórum e CRECE expuseram a insatisfação com o silêncio da SME nesse momento de crise na segurança da comunidade escolar. Cobraram um posicionamento urgente e exigiram a adoção de medidas efetivas de combate à violência nas UEs, muitas delas definidas há tempos, mas que, na prática, não foram implementadas.

O SINESP foi representado por seus Dirigentes Rosana Caputti, Janete Oliveira e Rui Ferreira Jr.

Entre as exigências feitas à SME na reunião, destacam-se:

>> A realização urgente de uma reunião com o CRECE e as entidades sindicais;

>>A inclusão, imediata, das entidades sindicais e do CRECE no Comitê de Proteção Escolar.

 

SINESP busca unidade nos estudos e ações

O SINESP elaborou um documento em que aborda os vários motivadores da onda de violência que atinge as escolas e se coloca à disposição para um debate urgente e fundamental, visando à implementação de políticas públicas que combatam o problema nas Unidades Educacionais.

Em formato de ofício, o documento foi enviado à Secretaria Municipal de Educação, Secretaria de Gestão, para os vereadores, Ministério Público, CRECE Central, Conselhos Comunitários de Segurança, Conselho Municipal de Educação, Sindicatos da Educação Pública Municipal, Fórum Municipal de Educação e Fórum Estadual de Educação.

No texto, o SINESP reafirma o compromisso, assumido em deliberações dos filiados em seus Congressos, de combate à violência nas escolas, e chama as autoridades e a sociedade para, juntos, debaterem o problema e buscarem soluções.

Nesse sentido, e frente à complexidade do problema e à insegurança vivenciada na educação, o Sindicato está, também, organizando um evento na Câmara Municipal, com convite a todos os segmentos que receberam o ofício, para formular ações de combate à violência nas escolas.

É urgente uma ação conjunta, dos entes públicos e sociais

Não é possível entender a violência que ultrapassa muros e portões escolares sem enxergá-la em sua gênese. Essa violência nasce no entorno das escolas e é fruto, também, das desigualdades socioeconômicas, do desamparo em que vivem muitos jovens e de uma cultura que insiste em “criminalizar” o diferente.

Contribuem para o aumento da violência a falta de saúde, de cultura, de lazer e de perspectivas de uma vida mais digna, ao lado das desigualdades sociais, da pobreza e da fome. O problema também reflete conflitos dos territórios e impõe que as UEs estejam preparadas para lidar com as especificidades da comunidade escolar.

É preciso unir forças e combater todos os fatores que alimentam a violência e que fazem com que ela cresça de forma assustadora e chegue a lugares onde, normalmente, ela não chegava com esse ímpeto destruidor.

Acuados pela incompreensão, pelo medo, pela própria violência, muitos jovens têm reagido de forma desproporcional. O diálogo, tão preconizado pelos educadores, tem sucumbido a impulsos catastróficos, que têm ceifado vidas e causado tragédias.

Estudos, exemplos bem-sucedidos, leis adequadas e recursos são instrumentos para atacar a violência em sua origem, mas, para isso, é urgente que a comunidade escolar, as autoridades e a sociedade se juntem por políticas públicas efetivas e urgentes.

O SINESP se propõe a participar desse movimento, visando ao enfrentamento de um dos problemas mais desafiadores da atual geração. E chama autoridades e sociedade para estarem juntos nesse esforço em defesa da educação e da comunidade escolar.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

0
0
0
s2sdefault