Nossas Escolas, Nossos Gestores
0
0
0
s2sdefault

É inacreditável o nível a que desce o governo e seu ministro da economia na sua campanha infame para destruir a imagem dos servidores e os serviços públicos e estatais prestados à população e favorecer os interesses privados!

Na audiência pública sobre a reforma administrativa proposta pelo Executivo, realizada na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara dos Deputados no dia 11 de maio, o Ministro Paulo Guedes baixou o nível a um ponto cruel e inaceitável.

Em sua gana ignorante para explicar reformas que assaltam os direitos do povo brasileiro em favor dos interesses de setores privados, disse que é inaceitável que os servidores tenham direito a 20 carros.

“Vejam como os servidores nas democracias avançadas atuam. Vejam o servidor na Noruega, na Suécia, ele anda de metrô, às vezes de bicicleta. Ele não tem 20 automóveis, mais 50 servidores, mais 30 assessores. Não é assim. É algo sempre bem modesto. Não é uma corte. É algo mais modesto, é algo mais meritocrático”, disse.

Como pode ser tão maldoso e mal intencionado? Os servidores dos quais ele fala, no Brasil estão nas altas cúpulas do judiciário, do legislativo e do executivo, das quais ele faz parte sem, como a maioria, ter prestado concurso para isso.

Aliás, a proposta do governo não mexe com privilégios e privilegiados. Ela alcança servidores do Executivo, Legislativo e Judiciário, mas não chega aos cargos considerados da elite. Por exemplo, haveria efeito para a carreira de analista do Judiciário, mas não para juízes.

A maioria massacrante, mais de 90% dos servidores públicos, ganha menos de 5 salários mínimos e anda de transporte público, ou de bicicleta como na Noruega. Nas estatais a discrepância da realidade com as afirmações do ministro é ainda mais estratosférica.

O ministro inventor afirmou ainda que não pretende autorizar a abertura de concursos públicos e colocar "militantes" para aparelhar o Estado.

A ausência de concursos está obviamente ligada à destruição e privatização dos serviços públicos e estatais. Já dizer que todos os servidores são “militantes”, sem especificar de que causa, é mais uma apelação absurda desse ministro dono de banco doentiamente neoliberal, que baba nos corredores como um pit bull defensor dos interesses dos banqueiros, empresários e transnacionais!

Quer servidor mais militante da extrema direita e do bolsonarismo que o indicado pelo governo para o STF? É assim que se aparelha o estado, não com concurso público!

Chega de absurdos vindos desse governo. Até quando o povo brasileiro vai aguentar esses disparates sem explodir em mobilização?

●Veja mais sobre a fala do ministro AQUI.

Adicionar comentário


0
0
0
s2sdefault